DBTalk no Impact Hub

Terça-feira tivemos um evento muito legal, organizado pela DBServer no ImpactHub em São Paulo. Galera muito participativa, com perguntas instigantes! Abaixo, o link da apresentação.

Cinco grupos de quatro pessoas dispostos em fileiras de mesas, jogando BDD Warriors

Anúncios

BDD no próximo DBTalk São Paulo

Semana que vem estaremos em São Paulo em evento promovido pela DBServer. Inscrições abertas até amanhã!

· 12 de Dezembro – 9h (welcome coffee) – 9:30 às 11:30 (workshop)
· Local: IMPACT HUB |Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 433 | Bairro Pinheiros – São Paulo
· Inscrições via e-mail: eventos@dbserver.com.br | Enviar nome completo, e-mail, telefone, empresa em que atua e cargo
· Vagas limitadas e inscrições válidas até 08.12

Workshop de Introdução ao BDD

BDD (Behaviour-Driven Development) é uma técnica colaborativa para definir e implementar sistemas através da descrição do seu comportamento, utilizando linguagem de negócios em cenários e exemplos para esclarecer os requisitos. Se associado à automação de testes funcionais, o BDD permite a geração de documentação viva, que se mantém relevante e atualizada durante a vida da aplicação.

Participantes deste workshop podem esperar como benefícios:
· Introdução aos conceitos de BDD e suas vantagens
· Estar aptos a aplicar a dinâmica de BDD Warriors em suas equipes
· Entender a relação entre BDD e automação como ferramentas independentes
· Conhecer a técnica de Example Mapping para estruturar a discussão sobre estórias
· Conhecer recursos para cenários complexos

Cartaz de divulgação com data e hora

Cards Against Agility em português

Um tempo atrás um colega do trabalho imprimiu o jogo Cards against Agility (uma versão do Cards against Humanity, só que com conceitos de Agile) para usar como quebra-gelo numa reunião de retrospectiva e gostou muito. De lá para cá fizemos uma adaptação para o português do Brasil e vimos que funciona mesmo muito bem como quebra-gelo: é fácil de explicar, rápido de jogar e engraçado. Como várias cartas falam de conceitos e anti-patterns de Agile, também pode ser usado como ponto de partida para uma retrospectiva.


Como jogar:

Embaralhe as perguntas e coloque-as numa pilha.
Embaralhe as respostas e distribua 10 para cada jogador.

A cada rodada, um jogador (juiz) compra uma pergunta e lê para os demais.

Os demais jogadores colocam sua melhor (mais engraçada) resposta viradas para baixo numa pilha.

OBS: Se a pergunta tiver 2 espaços, os jogadores compram 1 carta antes de jogar e se tiver 3 espaços, os jogadores compram 2. São jogadas tantas cartas quantas necessárias para completar os espaços.

O juiz embaralha as respostas, vira as cartas e decide qual a melhor segundo seus critérios pessoais.

O jogador que deu a resposta ganhadora fica com a carta de pergunta, para indicar que marcou um ponto (pode-se também fazer uma variação onde a pessoa ganha um chocolate, Bis funciona bem). Os jogadores compram 1 carta de resposta e o jogador seguinte passa a ser o juiz.

O vencedor é o jogador que tiver mais cartas de perguntas no momento em que se chegar ao fim das cartas ou quando se atingir um tempo pré-estabelecido.


Cards against Humanity por sua vez também é uma versão adulta e debochada de um outro jogo, Apples to Apples – as versões para usar no trabalho obviamente são mais “limpas”, mas você pode querer revisar as cartas mesmo assim.

E sim, a mecânica do BDD Warriors foi inspirada em CaH e é muuuuuito estranho fazer esse quebra-gelo e as pessoas comentarem que é parecido com o BDD Warriors!

Como foi a dinâmica de Keep Talking and Nobody Explodes

Sexta-feira teve dinâmica de retrospectiva com o jogo cooperativo Keep Talking and Nobody Explodes. Foi muito divertido e produtivo! Agradecemos aos participantes e à DBServer por ceder o espaço.

Fizemos da seguinte maneira:

  • Grupos de 3 a 4 pessoas, cada grupo com um notebook e um manual.
  • Quebra-gelo para decidir o nome das equipes
  • Apresentamos o tutorial que vem no jogo para os grupos, com o primeiro desarmador executando. Como nessa parte tem um texto a mais em inglês, é legal o facilitador dar uma ajuda.
  • A partir daí os grupos jogaram 4 partidas, rotacionando a pessoa que desarmava. Após cada rodada, os grupos fizeram mini-retrospectivas anotando o que ajudou, o que atrapalhou e o que fazer para melhorar.
  • Após as quatro rodadas (cerca de 30 minutos), fizemos uma discussão sobre os paralelos entre o jogos e dia-a-dia no trabalho. Alguns dos pontos levantados:
    • Comunicação sobre o que está acontecendo
    • Estabelecer uma linguagem comum
    • Pressa em sair fazendo sem entender
    • Voltar a ter dificuldades quando surge algo totalmente novo
    • Organizar as tarefas
Uma jogadora no notebook enquanto duas outras lêem o manual
Keep Talking and Nobody Explodes
Um jogador rotaciona a bomba no note enquanto outros três lêem o manual
O desarmador só vê a bomba e os especialistas só vêem o manual
Folha de anotações e manual impressos em papel reciclado
Exemplo de anotações feitas pelos jogadores durante a retrospectiva

Oficina com Keep Talking and Nobody Explodes

Keep Talking and Nobody Explodes (“Continue falando e ninguém explode”) é um jogo cooperativo assimétrico que necessita calma, organização e ótima comunicação. A pessoa no notebook está tentando desarmar uma bomba e precisa descrevê-la para a(s) pessoa(s) que estão com o manual de desarmamento. Uma partida dura 5 minutos ou menos, que é o tempo da bomba explodir. As bombas são geradas aleatoriamente, fazendo com que a sequência de passos seja sempre diferente.

Achou legal? Quer conhecer e ajudar a criar uma dinâmica de retrospectiva usando o jogo?

Oficina de Retrospectiva
Quando: 24/11 – 19h às 20h
Onde: Av. Ipiranga, 6681, Prédio 99A (Tecnopuc), 5° andar – DBServer
Inscrições gratuitasVaga limitadas

Jogadora gesticula em frente do note e um jogador lê o manual, enquanto duas pessoas observam

Jogadora com notebook enquanto 5 pessoas da equipe lêem o manual do outro lado da mesa

Jogador numa mesa com o note enquanto outra jogadora lê as instruções no manual

Jogador utiliza note com leitor de tela para ler o manual enquanto outra jogadora vê o note com a bomba

Link do site oficial O jogo em si requer bem pouco inglês (tipo next-next-start). Traduções do manual feitas por fãs existem na Internet, só atente para o número da revisão.

BDD Warriors no modo hard

Grupo de jogo com outra mesa de jogo e janela ao fundo
BDD Warriors na sala de aula

Quinta-feira durante uma partida de BDD Warriors na FACIN, o Jorge Audy comentou que ele prefere a variante em que cada jogador completa os espaços da sua carta no momento em que a joga. Esse é o modo difícil, pois exige que as pessoas tenham boa memória para lembrar o que foi dito em cada carta.

No entanto, pensando um pouco melhor, isso pode ser um anti-pattern de BDD. Uma das dicas para escrita de cenários é iniciar pelo Então e trabalhar de baixo para cima. Ou seja, é preciso saber onde se quer chegar. E realmente percebe-se durante o jogo que as pessoas quando vão completar um cenário começam confiantes e quando chegam no Então não sabem como concluir.

Então duas sugestões para o facilitador do jogo na hora de explicar as regras seriam: completar os espaços somente no momento de terminar o cenário, jogando as cartas em qualquer ordem, ou completar conforme se vai montando, porém obrigando a jogar as cartas na ordem Então-Quando-Dado.

Grupo jogando com o professor e outra mesa de jogo ao fundo
Complementação do trabalho de Especificação por Exemplo.

Oficina de BDD na DBServer

Ontem realizamos mais uma oficina de BDD com a galera da DBServer de Porto Alegre e remoto de São Paulo. É muito gratificante ver o interesse do pessoal!

Essa oficina abrange uma introdução aos conceitos de BDD, suas vantagens e relacionamento com testes/automação, liçoes aprendidas e sintaxe avançada, além de dinâmicas de jogo (claro!), example mapping e escrita de cenários.

Sala com vários grupos jogando
Sala lotada!
Caderno com desenhos e anotações, com três canetas alinhadas em paralelo
Achievement Unlocked: anotações artísticas sobre a palestra
Grupo de trabalho rindo à frente, com outros dois grupos no fundo
Dinâmica de escrita de cenários
Grupo com as cartas e tabuleiro sobre a mesa, com janela e árvores ao fundo
Não pode faltar BDD Warriors
Post-its agrupados por cor colados numa parede com um um desenho de um cérebro
Resultado do Example Mapping